Paris X Caliber

Comentários (0) Review, Todos, Vídeos

Paris e Caliber há alguns anos são os trucks cast mais populares para Longboards. Apesar de existir no mercado trucks similares com o mesmo desempenho como Bear, Randal, Sabre, Gullwing…e muitos mais!

Quando eu recomecei a andar de skate tinha apenas duas escolhas para fazer com relação aos trucks de Longboard. Randal e Paris eram os que encontrava no mercado e a diferença basicamente estava entre um truck clássico e sem acabamento presente no mercado desde 1978. Ou uma marca nova que trazia trucks bem acabados e ligados a uma marca de shapes já conceituada, a Loaded Boards. Naquela época minha escolha foi o Randal, também pela promessa de ser mais resistente. Eu já tinha visto o parafuso central do primeiro Paris quebrar em um role com um amigo.

Por volta de 2010 os trucks Caliber são lançados no mercado focados na crescente massa de riders praticantes de Freeride. Penso que hoje o Freeride é uma das modalidades de Longboard mais populares. Sendo até então o Paris um truck focado no carving. Neste momento prevendo a mudança no mercado a empresa decide mudar também seu foco.

Foram dois anos em que muito se falava da estabilidade dos Caliber, da sua campanha publicitária com mulheres com atitude sexy, ótimos team riders, cabides maiores, graus mais baixos e assentos de bucha (bushing seat) mais profundos.

No final de 2012 o Paris V2 é lançado! Os olhares retornam para a promessa de ser o truck mais versátil do mercado. E finalmente em 2014 a Caliber também lança o seu truck “Caliber II”. Basicamente essa é a história até os dias de hoje.

Vamos ao que interessa, voltando ao ponto principal deste post. Como já testei e andei bastante tanto com Caliber e Paris decidi escrever este post com as minhas impressões.

O Caliber II trouxe mudanças melhorando sua resistência, bushing seat, pivots, kingpin (parafuso central), as cores disponíveis contavam com um fosco metálico, diferente das cores brilhantes e sólidas mais comuns.

Paris V2 inovou trazendo melhores arruelas, porcas e parafuso central. Cabides mais resistentes, cartela de cores mais variada com cores e combinações diferentes para montar base e cabide.

Quando colocamos no papel e analisamos estes dois trucks eles mostram muito mais similaridades que diferenças, sendo assim precisamos analisa-los pela nossa percepção ou sensação pessoal durante o role. Sem dúvida é em campo que as diferenças aparecem, pois é aí que as nossas características individuais decidem qual truck se adapta melhor as nossas necessidades.

Diferença entre os assentos de bucha

Diferença entre os assentos de bucha

Paris vem com buchas Cone/Barril 90a Divine

Paris vem com buchas Cone/Barril 90a Divine

Caliber vem com buchas Barril/Barril 89a Blood Orange

Caliber vem com buchas Barril/Barril 89a Blood Orange

PARIS

Sendo assim minhas impressões sobre os Paris que possui o assento bucha (bushing seat) mais aberto oferecendo mais capacidade de resposta, retorno ao centro. Isso não quer dizer que o Paris não possa ser usado para velocidade. Apenas coloque e regule os amortecedores (Bushing) corretamente e você terá um bom truck para ladeiras. Leve (o par tem 920 gramas), porém resistente e com garantia por toda vida segundo o fabricante.

No geral, eu recomendaria Paris para o downhill e freeride, devido à sua sensação de fluidez e ainda ser relativamente estável, especialmente na versão de 43 graus. Para freestyle, dancing e carving o 50 graus, devido a sua maior vocação para curvar/carvear.

CALIBER

O Caliber tem um assento bucha mais apertado, o que da a sensação de maior a estabilidade e um melhor equilíbrio para o centro, isso à custa de ser menos “virador” ou seja a sensação é de andar realmente em um truck mais estável.

Estes trucks inspiram muita confiança em alta velocidade. Eles são visivelmente mais pesados, tem cabides mais grossos e resistentes que são muito mais difíceis de quebrar. Em geral, os calibres são mais orientados para downhill, mas também pode ser usado para freeride com a estabilidade incomparável em se tratando de um truck cast.

Recomendo Caliber para todos que estão começando no Downhill, isso porque eles tendem a ser mais estáveis ​​em velocidade. Além disso, por ser mais pesado (o par tem 970 gramas) eu não colocaria em um setup focado para andar no flat e sim em ladeiras.

Para finalizar, eu recomendaria Paris para decks projetados para freeride/carving/dancing e Caliber para placas mais orientadas para o downhill/freeride. Estas são apenas algumas diretrizes gerais com muitas exceções que variam com o gosto pessoal. Ambos são trucks muito bons e confiáveis. Coloquei neste post apenas sugestões para você começar a entender o universo destes dois trucks. O mais importante é você seguir  seu próprio gosto pessoal.

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>